O dia em que virei “costureira”

dscn3845

Depois de muito tempo sumida, a vida me deu uma trégua e tentarei voltar ao blog.

Um dia desses vi umas fotos de decoração no Pinterest , eram umas almofadas com estampas de flores e pompoms em volta. Procurei em tudo quanto é canto e não achei. Então, inventei que iria costurar as capas de almofadas. Ou seja, inventei virar costureira.

Fiquei pensando: será que vou conseguir fazer esse troço? 

Uma das minhas tias possuia uma máquina de costura portátil, que não usava com frequência. Pensei que seria melhor pegar uma máquina de costura, antes de investir em uma. Fiquei imaginando que as chances de costurar meu dedo era enormes, a ideia de pagar para costurar o dedo era insana.

Sempre vi minha avó costurando, naquelas máquinas antigas, com um gabinte fixo num quarto de costura. Mas eu nunca havia tocado em uma, só sabia que tinha um pedal e pronto.

Depois da máquina emprestada, precisava dos insumos para as costurices. Fui à Caçula e encontrei os tecidos de flores, do jeito que queria. Comprei! No mesmo dia comprei um carretel de linha branca e uma tesoura para tecido.

Cheguei em casa e comecei a procurar vídeos diversos sobre como costurar uma almofada, de forma minimamente decente. Achava tudo impossível, mas só conseguia pensar que tinha comprado uma tesoura para tecido caríssima, precisava dar alguma utilidade aquele troço.

Carol Costureira

Assisti vários vídeos tutoriais de como costurar uma almofada: modelo envolope, com velcro, com ziper invisivel e ziper comum.

Cortei um retângulo de 82 cm x 44 cm, liguei a máquina, pisei no pedal e fui. Fui de cara na parede, porque não sabia que existia uma bobina, com linha, que precisava ser laçada  com outra linha, a da agulha.

Demorei mais de uma hora para conseguir laçar essa linha maldita, e se por algum motivo a maldita linha saísse, eu levava mais uma hora para conseguir laçar de novo.

Minha avó passou por aqui e me deu uma dica de “esconder” o ziper. Eu comprei o zíper invisivel, mas não fazia idéia de como preder aquele monstrinho, então só costurei como um zíper normal.

O primeiro zíper que preguei, precisei desfazê-lo imediatamente, porque ele não abria. Costurei por cima do zíper. Precisei refazer a costura do zíper por três vezes e mais duas vezes na segunda almofada.

Quando finalmente terminei, não acreditei no resultado. Sim, estava tudo torto, bem torto até. Mas parecia uma capa de almofada e funcionava como uma capa de almofada. FICOU LINDO!!

E foi assim que costurei a minha primeira peça do zero! Uma capa de almofada.

Agora já aprendi a pregar zíper comum e invisivel bem tranquilamente. Estou aprendendo a costurar pequenas bolsinhas. Mas só me atrevo a costurar coisas que, eventulmente, possa jogar fora ou desfazer, porque ainda não sou nenhuma super master costureira.

Singer

Comprei uma máquina de costura, mesmo morando numa casa minuscula. Guardo os tecidos e as linhas numa caixa no ármario, assim como a minha máquina portátil.

Não tenho muito tempo, mas sempre que dá,  guardo o notebook na gaveta, coloco a máquina na mesa e começo a costurar uma nova capa de almofada ou uma nova necessarie para a filha da vizinha. Eu me divirto sozinha, com uma boa música e esqueço das mil coisas que tenho para estudar, e de todo o peso da responsabilidade que tenho nas costas.

Só costuro, só me concentro em fazer aquela costurinha reta e fazer o zíper fechar. E nesse momento, eu sou muito feliz. Sou uma costureira feliz!

Post relacionados

Deixe uma resposta